segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Firmes no rumo das vitórias

O Benfica somou este domingo mais uma vitória na edição 2010/2011 da Liga portuguesa, após uma entrada fulgurante no encontro frente à Académica. Foi um desafio em que os “encarnados” podiam ter vencido por uma diferença de golos bem mais expressiva, tal foi o seu domínio durante os 90 minutos.

Depois da goleada sobre o Olhanense para a Taça de Portugal, o treinador Jorge Jesus apresentou apenas uma novidade no onze. Roberto tem sido o dono da baliza na Liga e, por isso, regressou com naturalidade à equipa principal dos “encarnados”.
 

Natural foi também a entrada do Benfica no terreno da Académica. Consciente que não pode perder mais pontos no campeonato, o grupo entrou a pressionar de uma forma muito alta, encostando a Académica ao seu reduto defensivo.
Os “encarnados” construíram várias jogadas de bom recorte técnico durante a primeira parte, dificultando assim as subidas da Académica no terreno de jogo. No entanto, a primeira situação de perigo surgiu num remate de Carlos Martins de fora da área. O esférico passou por cima da barra (9’).
 

Numa dessas jogadas de envolvência, Saviola cruzou para um cabeceamento perigoso de Fábio Coentrão por cima da barra (14’).
 

A vantagem “encarnada” chegou aos 18 minutos, altura em que um livre cobrado por Cardozo foi desviado por Saviola para o fundo das redes de Peiser.

O minuto 23 é um dos exemplos bem claros da qualidade futebolística da formação de Jorge Jesus. Com um toque habilidoso, Carlos Martins desmarcou Coentrão e este cruzou do lado esquerdo para o interior da área, onde Salvio surgiu a rematar ao lado da baliza dos visitados.
 

O domínio do Benfica foi quase absoluto, uma vez que a Académica criou apenas uma situação perigosa durante a primeira parte. Miguel Fidalgo, aos 27 minutos, chegou com perigo junto de Roberto, mas o seu remate foi travado de forma soberba pelo guardião espanhol.
 

O Benfica apresentou um ritmo muito elevado e, numa dessas combinações muito rápidas entre os seus jogadores, Coentrão entrou na área e foi derrubado por um adversário. Além de não ter assinalado qualquer falta, o árbitro Elmano Santos mostrou cartão amarelo ao jogador do Benfica (35’).
 

Elmano Santos ajuizou bastante melhor o lance seguinte (36’), onde Cardozo sofreu uma entrada extremamente perigosa do atleta da Académica Pape Sow. O jogador dos “estudantes” recebeu ordem de expulsão e o Benfica passou, assim, a jogar com mais uma unidade.

Antes do final da primeira parte, Carlos Martins teve nos pés a possibilidade de ampliar o marcador, mas o chapéu a Peiser acabou por não levar a direcção mais desejada.
 

Num segundo tempo marcado por uma Académica ainda mais fechada no terreno de jogo, o Benfica não conseguiu ampliar a vantagem e isso foi mantendo viva a esperança dos visitados, que foram procurando incomodar em lances de bola parada e de contra-ataque. Amaury Bischoff, aos 68 minutos, acertou mesmo no poste da baliza de Roberto.
 

O Benfica respondeu também com um remate aos ferros da baliza da Académica. Luisão cabeceou ao poste aos 73 minutos, sendo que Cardozo obrigou Cardozo a uma defesa complicada no seguimento do lance.

A equipa de Jorge Jesus viu depois o árbitro Elmano Santos fazer vista grossa a mais uma grande penalidade, desta feita aos 75 minutos. Amaury Bischoff cortou a bola com a mão no interior da área e o juiz assinalou pontapé de canto!
 

Em período de descontos, o Benfica viu Fábio Coentrão ser expulso, o que afasta do próximo encontro. Lembrar que isto não aconteceria se o jogador não tivesse sido admoestado no primeiro tempo por Elmano Santos.
 

Com esta vitória na 16.ª jornada da Liga portuguesa, o Benfica continua na perseguição ao primeiro classificado da tabela.
 

O Benfica apresentou a seguinte equipa frente à Académica: Roberto; Ruben Amorim (Maxi Pereira, 87’), Luisão, David Luiz e Fábio Coentrão, Airton, Carlos Martins (Aimar, 66’), Gaitán e Salvio; Cardozo e Saviola (Jara, 80’).

Sem comentários:

Enviar um comentário